Artigo

Igreja do Nazareno Logoa Nova

MÃOS DE MÃE

O toque da mãe chega-nos com a força da presença. Criando elos como numa doce sentença.Desde o receber a notícia da gravidez, a mãe com sua mão acaricia o ventre, dando vida a imaginação, trazendo a mente possíveis imagens do rosto, do olhar... Pura emoção! O filho gerado, por ela esperado, traduz a essência do amor, expressado com suave ardor, transmitindo sentimentos... Vivo calor! Da dor do parto ao sorriso nos lábios estampado. Lágrimas que buscam seu curso como um rio, delineando caminhos pelo rosto em suor... Alívio preciso, choro incontido, o filho nascido, presente maior. Término de uma ligação umbilical, abertura para um crescimento gradual. Os braços que acolhem, recebem. Os olhos que vêem, percebem. As mãos que se estendem, protegem. No aconchego do peito, toques, alimentos, segredos. No deslizar pela pele tão macia, laços estabelecidos pela mão que acaricia. A mão que protege e segura é a mesma que para experiências empurra. Há uma compreensão inigualável, conhecimento inesgotável, oriundos de um coração amável. A mão da mãe fortalece o primeiro passo... solta, libera, criando espaço, estabelecendo distâncias entre pontos como um compasso. E assim, o filho anda, corre, salta, o novo experimenta, o desafio enfrenta.  Conquistas lhe chegam às mãos, na vida torna-se um campeão, não devendo esquecer terna gratidão. Mãos de mãe são assim mesmo, inspiram cuidados, dividem o fardo. Impulsionam pelo incentivo, revelando olhar instintivo. Transmitem orientação, eliminando a inquietação. Através de um afago ou de um cafuné, encontramos forças capazes de nos manter em pé. A mão da mãe também é corretiva, carregada de ensinos para toda a vida, por vezes nela doendo mais, porém, incutindo graça, que tudo refaz. Mãos firmes quando tem que ser, branda e pedagógica fazendo-nos erros perceber. Tropeços corrigidos, alvos reestabelecidos... o prover equilíbrios. A mão da mãe não esconde imperfeições, todavia revela humildade, afeições. Mão que é semeadora por excelência, revigorando sonhos com coerência, garantia de um futuro com prudência. Vislumbra o horizonte com clareza, encobrindo medos e incertezas, pincelando cores, tamanha beleza. Mãos que se juntam numa oração, trazendo consigo o embalo da fé, conserto, retidão. Mãos que se movem nos gestos seus, e nelas percebemos muito da essência de Deus. A mão da mãe é construtora, animadora, resgatadora; pronta para socorrer, fazer a esperança reviver, situações reverter. Mãos que ensinam o compartilhar, e nele a graça vem revelar. Mãe, muito do que possuímos foram por suas mãos instituídas, e hoje, somos idosos, adultos, crianças agradecidas. És expressão do amor divinal, igual a ti? Ninguém! És única, e ponto final.

Marenildo, como filho, agradecido. Como pai, aguerrido.



Artigos Relacionadas